Preparação para o mercado de trabalho: graduação é o suficiente?

Obtenha um diploma universitário e consiga um emprego: essa fórmula funcionou com relativo sucesso por mais de 50 anos, mas hoje a realidade é bem diferente. Com o aumento do percentual de brasileiros com diplomas superiores, a preparação para o mercado de trabalho está mais exigente, e a vantagem esperada por quem tem um diploma de graduação não é mais tão larga.

Hoje, você vai descobrir o que está por trás dessa tendência e que outras habilidades e conhecimentos podem fazer seu currículo se destacar no mercado de trabalho. Vamos lá?

Por que um diploma de graduação não é mais suficiente?

Programas de graduação vêm se espalhando por todo o país, apostando na tendência do mercado que promete ganhos futuros mais elevados para quem possui formação universitária. Consequentemente, aqueles empregos que costumavam ser reservados para quem tinha apenas o ensino médio são cada vez mais distribuídos entre as pessoas com grau superior.

Hoje, no Brasil, mais da metade dos trabalhadores das regiões Sul e Sudeste possuem ensino superior completo. Essencialmente, são a oferta e a procura dentro dos mercados que condicionam tal quadro, e as universidades seguem ampliando seu número de vagas para atrair candidatos. Diante disso, não é exagero dizer que, no mercado de trabalho atual, a graduação é o novo ensino médio.

E porque a graduação não é mais suficiente para garantir a empregabilidade dos candidatos é que você precisa estar por dentro do universo das especializações e cursos de aperfeiçoamento assim que apresenta seu TCC. Os estudantes que não deixam de investir em crescente qualificação têm maiores chances de obter uma vaga no mercado de trabalho e de manter seus empregos durante a crise.

Então o que fazer para se preparar para o mercado de trabalho?

A depender da sua área de atuação, existem vários recursos de que você pode lançar mão para melhorar seu currículo. Em áreas dominadas pela pesquisa, como as ciências, um mestrado ou doutorado pode ser o mais indicado. Já em profissões que precisam de perfis mais técnicos, especializações e MBAs são as melhores opções.

Antes de iniciar um curso de pós-graduação, porém, é bom que você tenha algum tipo de experiência profissional, seja por meio de um estágio não remunerado ou um emprego de iniciante. Assim, é possível ter mais bases para decidir que curso é melhor para você, em vez de começar a estudar algo que talvez não fale ao seu perfil.

Quer dizer, conhecendo concretamente a atuação profissional na sua área, é possível entender quais aspectos são de seu interesse e se decidir por uma especialização que vá realmente fazer a diferença no seu futuro.

Com uma especialização ou ou MBA na manga, o que mais fazer para se destacar no mercado de trabalho?

Atualmente, um candidato precisa de muito mais que apenas um diploma em mãos para conseguir uma chance. De acordo com uma pesquisa do CareerBuilder (1 dos 50 maiores sites americanos de busca de empregos), é preciso desenvolver certas habilidades se você quer ingressar no mercado de trabalho o mais rápido possível.

Para lhe ajudar, listamos a seguir 5 destas habilidades!

1. Aprenda a se relacionar

Comunicar-se com clareza e eficiência e interagir com outras pessoas parecem tarefas simples, mas 52% das empresas que responderam à pesquisa do CareerBuilder disseram que faltam habilidades interpessoais aos recém-graduados. Por isso, aqueles que procuram se diferenciar da grande massa de profissionais no mercado não devem subestimar o poder delas nas mais diversas circunstâncias no ambiente de trabalho.

A capacidade de criar bons relacionamentos pode até mesmo colocar em posição de vantagem um candidato com menos experiência e outros conhecimentos formais na hora de uma seleção. Dialogar, fazer contato visual, dizer frases completas, ouvir outros pontos de vista, certificar-se de que entendeu o que foi dito pelo interlocutor, reconhecer a própria responsabilidade e ter espírito de cooperação são expressões dessa habilidade, que enche os olhos das empresas em um candidato.

2. Domine a comunicação oral

Intimamente ligada à primeira, por ser uma das dimensões do relacionamento humano, a comunicação oral é outra habilidade na qual os empregadores dizem que suas equipes precisam de ajuda. 41% deles afirmam que jovens que estão à procura de um emprego apresentam grandes deficiências nela.

Por integrarem uma geração que cresceu em um mundo em que a comunicação digital é a regra, não é difícil entender por que alguns deles podem negligenciar a forma tradicional de trocar ideias e se expressar no cotidiano.

Mas a inaptidão dos jovens para a comunicação verbal vai além. Ela se revela também na hora de fazer uma apresentação de trabalho que deve adotar um registro de linguagem mais polido, de atender ao telefone ou se dirigir adequadamente a pessoas de hierarquias diversas etc. Recém-graduados também podem não entender como ajustar seu estilo de fala em diferentes situações, o que pode ser um grande problema no mundo empresarial.

3. Descubra o líder que há em você

63% dos millennials querem liderar no local de trabalho, segundo a Pesquisa de Liderança do Hartford. Entretanto, esta parece ser outra área na qual eles estão ficando para trás, segundo os empregadores.

45% das companhias entrevistadas não veem em seus contratados as habilidades de liderança que tanto procuram. A diferença pode estar no estilo, que muda de geração para geração, o que é importante considerar. Contudo, talvez por demonstrarem um certo desprezo pelas hierarquias rígidas, aliado ao apetite insaciável pelas tarefas que envolvem a tecnologia, normalmente solitárias, os millennials podem ter dificuldades em trabalhar em equipe, quanto mais liderá-las.

Por isso, se você, ainda sendo um millennial, quer sobressair em relação a seus concorrentes, que tal mostrar a seus superiores a capacidade de liderar um time para gerar mais resultados para a empresa?

4. Solucione problemas

46% dos empregadores disseram que os recém-formados têm baixa capacidade de resolução de problemas. E quando os pesquisadores do Council for Aid to Education (ou CAE, uma organização nova-iorquina sem fins lucrativos) testaram as habilidades de resolução de problemas e pensamento crítico dos norte-americanos prestes a formarem em mais de 150 universidades, acabaram descobrindo que pelo menos 40% deles têm dificuldades nessa área.

Assim, para ser cobiçado pelas empresas, é hora de começar a afiar sua habilidade estratégica de decisão!

5. Trabalhe sua expressão escrita

Outra competência igualmente escassa no mercado, expressar-se bem na escrita também é vital para qualquer profissão. Ou você acha que é à toa que as provas, em diversas etapas da sua formação escolar, davam à redação o peso de decidir sua aprovação?

Cerca de 38% dos empregadores não acreditam que os graduados possuem as habilidades de comunicação escrita necessárias para obter sucesso no ambiente de trabalho.

Gramática capenga, uso inapropriado da linguagem, assim como informalidade, contrações e internetês também demonstram pouco profissionalismo. Então, apure seu português para causar as melhores impressões nos seus empregadores!

Agora que você já sabe que preparação para o mercado de trabalho não termina mais com o diploma de graduação, que tal compartilhar conosco o que tem feito para aprimorar sua formação? Participe da conversa!

Share This